jusbrasil.com.br
17 de Maio de 2021

O caso que mais me comoveu - e me ensinou uma grande lição!

Estágio em gabinete ensina muito mais que analisar provas e processos.

Bruna Santos Barboza, Advogado
Publicado por Bruna Santos Barboza
há 3 anos

O caso que mais me comoveu quando fiz estágio em gabinete de Juíza foi o de um senhor, acusado de ter praticado ato libidinoso contra as netas.

O caso já estava resolvido e foi julgado por um Juiz que eu não conhecia. Não fiz nada, apenas li o processo.

Foi terrível! Imagino como a mídia deve ter explorado o assunto...

A cada página que virava, eu tinha um sentimento mais intenso e, por cada palavra das vítimas, já podia prever um "veredito": CULPADO.

Sim, o senhor foi denunciado e, depois de um longo processo, de produção de muitas provas, ele foi considerado culpado e condenado às duras penas que se aplicam ao referido crime no Brasil.

Após ler a sentença me pareceu haver um senso de justiça, a argumentação condenatória me trouxe convicção de que "o culpado tinha sido punido".

No entanto, para meu estranhamento, o processo não acabava com a sentença 🤔....

Algumas folhas adiante foi juntado um depoimento. Não me lembro a data correta, mas foi um tempo depois da condenação daquele senhor.

Nesse depoimento uma ou as duas vítimas relataram que:

- acusaram falsamente o avô de estupro;

- o motivo foi que a mãe delas não gostava dele e forçou as meninas a fazerem a denúncia.

Não pude esconder minha expressão de espanto!

😶

Naquele dia, no silêncio do gabinete, tive uma das maiores reflexões da minha vida. Naquele dia conheci a história de um senhor cuja vida foi literalmente destruída por uma falsa acusação.

Depois disso, aprendi a não julgar quem quer que seja e a tomar decisões unicamente em provas concretas e estritamente de acordo com a lei e a justiça.

Não estou dizendo que a culpa foi de ninguém, só estou relatando o que vi. Não posso falar em culpados, o processo era muito complexo para eleger um só culpado e isso poderia até ser considerado um ato antiético da minha parte.

No entanto, a questão que mais se impõe é: o que fazer com esse senhor? Consolar, dar um tapinha nas costas e dizer "pelo menos elas disseram a verdade no final"?

O senhor acusado foi colocado em liberdade, poderia agora dizer ao mundo todo que era comprovadamente inocente; mas e daí, quem é que poderia reconstruir a vida dele, a não ser Deus?

Processo criminal é algo muito sério, sendo vítima ou acusado, deve-se buscar a justiça e não se conformar enquanto não tiver a verdade - é com ela que trabalham os advogados criminalistas!

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Olha, tive, e ainda tenho, experiência no gabinete como estudante... Lá se obtém a noção de muitas complexidades. Eu sempre me angustio para decidir quem é culpado, seja na área cível, penal, trabalhista etc continuar lendo

Obrigada pelo comentário Talita!

Realmente precisamos de muita sabedoria para lidar com certas questões. "Seguir a onda" que o processo cria, pode gerar a condenação de inocentes, mas por outro lado, exigir um extenso e detalhado conjunto probatório pode acarretar na absolvição de culpados.
Pela minha experiência, percebi que o mais importante é o esforço para se obter a verdade real e o estudo dedicado das teses de acusação e defesa - assim podemos manter nossa consciência em paz e ter certeza de que estamos fazendo a coisa certa :) continuar lendo